quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Maldição

Capítulo 1:Tudo o que amei,amei sozinha...-parte 2
Nós fomos até um ponto afastado da caverna,a partir daí tinha uma pequena parte de selva,não tivemos muitos problemas para atravessar,a não ser pelos gritos da Zawa quando via uma aranha...demoramos menos de dez minutos para atravessar a selva,depois disso tinha mais um pedaço de savana que pertencia ao reino...ali era parado e silencioso...o vento balançava a grama alta e a lua deixava tudo meio azul,nós atravessamos a savana quietas...evitando qualquer barulho...nós eramos as caçadoras e o exílio a nossa presa...depois de meia hora estávamos na frente do exílio,a névoa lá era espessa e ar frio e seco,aquele lugar tinha um cheiro estranho...um cheiro que eu nunca havia sentido antes...um cheiro de morte...estava diferente desde a última vez que havíamos ido até lá,estava tudo mais quieto...nem os grilos ousavam emitir seu triste cricrilar...eu dei alguns passos adiante enquanto Nidra e Zawa olhavam o lugar,de repente,pisei em algo molhado,olhei para o chão e vi que minha pata estava mergulhada em uma poça de sangue,voltei a olhar para frente e vi um rastro de sangue,eu não estava com medo...muito pelo contrário,eu estava empolgada,senti uma curiosidade imensa e quando eu ia dar mais um passo um filhote pulou em mim,foi tudo tão rápido,me lembro de ter dado uma patada bem forte no rosto do filhote,tão forte mas tão forte que o filhote acabou sendo lançado e caiu no chão,a poeira levantou,Nidra e Zawa correram para meu lado,quando a poeira finalmente baixou reconheci o filhote,era Kwenda...o que ela estava fazendo ali?Eu comecei a ficar com uma raiva imensa...ela se levantou,se não fossem minhas pernas que não se mexiam,eu teria a feito cair ao chão novamente.
_Por que veio até aqui?-Gritei,ela olhou para mim e sorriu...
_Sua mãe não vai gostar nada que você veio até aqui...nem o tio Makamu,e minha mãe não vai gostar nem um pouquinho quando eu contar que você me deu um tapa com a sua pata imunda,sua plebeia!-aquela frase fez meu sangue ferver,tive que me segurar para não pular nela.
_Quem é você para chama-la de plebeia?Você nunca soube quem é seu pai e sua mãe se recusa a falar que eu sei!-Disse Nidra,eu olhei para ela e depois novamente para Kwenda...ela havia ficado sem palavras,Zawa não sabia nem o que falar,estava evitando entrar na briga,eu fui até Kwenda e fiquei cara a cara com ela.
_Escuta aqui sua...patricinha chata!Se acha mesmo que vou me abalar com essas suas palavras está muito enganada!-Disse,mas eu sabia que era mentira,aquelas palavras de ódio que todos diziam para mim,eu me sentia só com isso...
Kwenda abaixou um pouco a cabeça,mas sem desviar o olhar,ela achava que conseguia me amedrontar...
A lua estava quase a pino,olhei para o céu e me apavorei,demoramos tanto brigando com a Kwenda que nem vimos o tempo passar,meu "pai" chegaria em casa a qualquer momento,olhei para Zawa e Nidra e elas captaram minha mensagem e saímos correndo em disparada,Kwenda esperou uns três segundos e correu conosco,chegamos ofegantes,Nidra saiu correndo em direção da sua terra(que não era muito longe),e eu e Zawa corremos para a caverna deixando Kwenda para trás,meu "pai" a adorava,então ele não ia brigar com ela se a visse passeando a noite,mas comigo...nós chegamos na entrada da caverna rapidamente,por sorte meu "pai" ainda não havia chegado,entramos lá cuidadosamente para que ninguém acordasse,Zawa deitou ao lado de sua mãe,eu fui até minha mãe e me deitei,mas foi só eu fazer isso que meu "pai" chegou,ele nem olhou para dentro,só se deitou na entrada da caverna e dormiu,fechei os olhos e fiquei pensando na minha vida,que não era lá grande coisa,meu "pai" não me dava a mínima,meus primos mimados me odiavam,as únicas que estavam ao meu lado eram Zawa,Nidra e minha mãe,não demorou muito tempo para eu pegar no sono,na manhã seguinte eu acordei antes de todo mundo...quer dizer,quase todo mundo,meu "pai" estava lá fora,eu saí em silêncio para não chamar a atenção dele,andei até a savana e me deitei,olhei para o céu,estava escuro,as palavras de Kwenda ainda ecoavam em minha cabeça..."minha mãe não vai gostar nem um pouquinho quando eu contar que você me deu um tapa com a sua pata imunda,sua plebeia!"...Aquela chata...se eu pudesse eu acabava com a raça dela,começou a chover,senti um calafrio na espinha ao ouvir um som na grama logo atrás de minhas costas,me levantei subitamente e corri o mais rápido que pude,só depois de correr uns duzentos metros notei que estava correndo para a direção oposta do meu reino,a chuva começou a engrossar,eu,como não tinha mais o que fazer me enfiei em uma caverna que estava não muito longe,estava frio lá dentro,o silêncio era tanto que eu podia ouvir minha respiração,havia vapor saindo de minha boca,o tempo lá fora estava cada vez pior,de repente,um som abafado mais para dentro da caverna,eu não estava sozinha,um clarão surgiu,por um instante,jurei ter visto uma criatura com olhos azuis brilhantes olhando para mim,engoli em seco,mas continuei firme em meu lugar,a criatura começou a se aproximar,eu não recuei em instante algum,em poucos segundos eu estava em posição de ataque,e antes que eu pudesse pensar no que aconteceu,eu já estava em cima do animal rosnando,finalmente eu vi o que era,era um filhote,tinha mais ou menos a minha idade,ele era dourado escuro e tinha os olhos azuis,ele parecia assustado,logo saí de cima dele.
_Ei!Por que fez isso?-Perguntou ele se levantado e sacudindo a poeira de seu pelo,eu fiquei calada durante alguns segundos,e logo já tinha minha resposta.
_Bom...é atacar ou ser atacada,meu nome é Luanna,e o seu?-Perguntei,ele levantou uma sobrancelha,um pouco desconfiado,mas não demorou muito para abrir um sorriso.
_Meu nome é Baridi!-Disse ele já bastante alegre,eu sinceramente o achei muito simpático.
_É um bonito nome,quase tanto quanto o dono!-Deixei escapar,só notei que havia dito isso uns doze segundos depois.
_P-puxa...você acha mesmo?-Disse ele meio encabulado,eu senti meu rosto começar a ficar quente,um silêncio constrangedor surgiu...o clima ficava cada vez mais estranho.
_B-bom...f-foi o que eu disse né?-Respondi meio sem saber o que fazer,olhei para os lados,ainda envergonhada.
_Quer brincar de alguma coisa?-Aquelas foram as palavras mágicas,brincamos um pouco de luta e logo nos esquecemos do que havia acontecido,em pouco tempo o irmão gêmeo de Baridi(que não se parecia muito com ele)se juntou a nós,o nome ele era Ambaye.
(Não usem a imagem do Ambaye sem permissão,a imagem foi inteiramente feita por mim)
Nem vimos o tempo passar,o sol já estava nascendo,e a chuva,ainda que contínua,estava mais fina,em pouco tempo já estávamos ofegantes,começamos então a contar piadas,rimos muito,aquele foi sem dúvida um dos melhores dias da minha vida,até que Ambaye olhou para o interior da caverna,suspirou e disse:
_É melhor você ir para casa,em pouco tempo nosso pai vai acordar e ele não gosta de nos ver com outros filhotes-ele disse isso em um tom triste,Baridi baixou a cabeça e concordou,eu suspirei,eu não queria ir,mas se eu ficasse só Deus sabe o que teria acontecido.
_Tudo bem então,tchau!-Eu disse,olhando para a chuva mansa que caía do lado de fora.
_Vamos nos ver de novo?-Perguntaram Ambaye e Baridi em coro.
Olhei para eles e sorri,fiz um sinal de sim com a cabeça,eles sorriram também,nos despedimos e eu fui correndo para casa,mas não sem antes ver o que estava acontecendo que a grama do lugar de onde vim ainda se mexia contínuamente,fui até lá e tudo o que encontrei foi um ratinho,fiz uma careta.
_Então foi você que me assustou?Bom...obrigada,se não fosse você,eu nunca teria conhecido Baridi e Ambaye.-O ratinho olhou para mim assustado,e...ele sorriu para mim,se curvou educadamente em agradecimento e seguiu seu caminho.-Tá aí uma coisa que não se vê todos os dias!
Continuei correndo,quando cheguei em casa,meu pai não estava e as leoas ainda estavam acordando,mal sabia eu,que se alguém soubesse de algo do que aconteceu,eu podia me dar muito,muito mal...
------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Não é o maior capítulo de todos,mas é o suficiente para este,apenas para explicar como Luanna conheceu Baridi e Ambaye,mas não se esqueçam desse capítulo,eu vou relembrá-lo futuramente.
Então...o que vocês acham que vai acontecer se alguém descobrir o que aconteceu?Luanna vai se apaixonar por Baridi?Ou será apenas uma quedinha passageira?E o pai de Ambaye e Baridi?O que será que ele irá fazer se descobrir?Comente o que acham, e até o próximo post!;)

2 comentários:

  1. Só espero que o pai dos meninos não descubra, se não vai sobrar pra eles =/
    Se o ''pai'' dela descobrir sobre isso, finalmente ele vai dar atenção a Luanna!

    Muito bom! Esperando o próximo!

    ResponderExcluir
  2. Adorei o cap!
    Que bom que Luanna fez novas amizades :D
    Só esperando o próximo!

    ResponderExcluir

Mais visitadas